A importância de um bom Contrato de Prestação de Serviços

A elaboração de um contrato de prestação de serviços é essencial para celebrar os negócios jurídicos entre as instituições de ensino e os clientes. 

No entanto, é certo que um contrato mal elaborado pode gerar inúmeros problemas para a escola, principalmente pela falta de proteção contra fatos posteriores que podem abalar a relação entre as partes.  

A estrutura do contrato deve ser a mais detalhada possível, abordando minuciosamente todos os pontos essenciais que dizem respeito ao negócio, principalmente o objeto e a cláusula penal.  

O objeto é basicamente a prestação, determinando as obrigações das partes ao longo do vínculo contratual. Nele deve se detalhar como as obrigações devem ser realizadas para que o contrato cumpra com a sua finalidade negocial.

De um lado está a escola, prestadora de serviços, que terá a obrigação de prestar adequadamente os serviços contratados. De outro lado está o cliente, tomador dos serviços, que tem a obrigação de pagar a contraprestação à escola, remunerando-a pelos serviços prestados.  

Na cláusula penal, mais conhecida como multa, você determina qual o valor que as partes terão de pagar em caso de inadimplemento. É um ponto bastante importante, haja vista que cria uma proteção maior à relação jurídica, garantindo que ninguém será prejudicado pelo descumprimento da outra parte.

Porém, a ausência da cláusula penal não impede que seja cobrada judicialmente as importâncias necessárias para o ressarcimento do dano, haja vista que quem gera o dano tem o dever de repará-lo.  

A respeito do prazo em que vigorará o contrato de prestação de serviços com pessoas físicas, essencial é a atenção a respeito do art. 598 do Código Civil prevendo que:

a prestação de serviço não se poderá convencionar por mais de quatro anos

Portanto, excedido o prazo de 4 anos é necessário firmar outro contrato de prestação de serviços com o cliente. 

O contrato de prestação de serviços firmados entre a escola e o cliente são considerados contratos de adesão de acordo com o art. 54 do Código de Defesa do Consumidor, onde prevê:

“contrato de adesão é aquele cujas cláusulas tenham sido aprovadas pela autoridade competente ou estabelecidas unilateralmente pelo fornecedor de produtos ou serviços, sem que o consumidor possa discutir ou modificar substancialmente seu conteúdo”

Logo, seguindo as regras a respeito dessa espécie de contrato, de acordo com o § 3 do mesmo artigo:

“os contratos de adesão escritos serão redigidos em termos claros e com caracteres ostensivos e legíveis, cujo tamanho da fonte não será inferior ao corpo doze, de modo a facilitar sua compreensão pelo consumidor”

Desse modo, não é lícito elaborar um contrato que o cliente não consiga entender por causa do vocabulário rebuscado ou pela presença de letras miúdas, famosas armadilhas contratuais.     

Porém, mais importante do que o conhecimento a respeito da estrutura contratual, faz-se necessário conhecer os princípios contratuais que norteiam essas relações jurídicas. Veja abaixo cada princípio e sua explicação.  

Princípio da boa-fé objetiva

É a previsão de que as partes devem atuar de modo honesto, leal e em cooperação, sempre visando atender reciprocamente as expectativas uma da outra. Portanto, todo tipo de fraude ou dolo é inaceitável em uma relação contratual e será totalmente repudiado pelo juiz em eventual processo judicial. Os contratos são feitos para serem cumpridos honestamente, sem a intenção de prejudicar a outra parte.  

Princípio do equilíbrio contratual

Esse princípio determina que se deve manter o equilíbrio nas prestações devidas pelas partes, garantindo que diante de eventos supervenientes imprevisíveis, será realizada a revisão contratual, ampliando ou diminuindo o ônus que recai sobre os contratantes.  

Princípio da função social do contrato

Apesar da autonomia da vontade de estipular o que deseja com a outra parte, é certo que as convenções não podem ferir o interesse público, devendo sempre respeitar as normas impostas pela coletividade. Portanto, não é possível estabelecer um contrato de prestação de serviços com objeto ilícito, haja vista que contraria o interesse público.  

Portanto, independente de previsão contratual, as normas jurídicas devem ser seguidas, sendo certo que a relação jurídica contratual é repleta de princípios que protegem os contratantes contra eventos inesperados. Com isso, é imprescindível que as partes sempre atuem em colaboração, visando satisfazer as expectativas da outra parte, principalmente em respeito ao princípio da boa-fé objetiva.  

BAIXE AGORA MESMO O MODELO DE CONTRATO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EDUCACIONAIS

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email
Fechar Menu