Fraudes Durante a Pandemia

O crime não é novo, mas ganhou força extra durante a pandemia. Segundo levantamento da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), desde março de 2020, o número de golpes durante a pandemia teve um aumento de 70% no país.

Vale ressaltar que a preocupação com fraudes relacionados a boletos bancários é antiga. Para mitigar problemas de fraudes, desde 2018, todos os boletos bancários passaram a ser registrados, com a inserção de algumas informações importantes como: CPF ou CNPJ do emissor e também do pagador do boleto.  

Com a pandemia, além dos golpes relacionados ao auxílio emergencial, muitos criminosos ainda utilizam o boleto bancário como fonte de golpe. Seja através de boletos impressos ou digitais, os criminosos trocam a linha digitável ou o código de barras, direcionando o pagamento para contas próprias. 

São inúmeros casos de boletos bancários referentes a planos de saúde, condomínio, financiamento de veículos ou até a prestação da escola dos filhos. 

A forma mais comum de fraude ocorre através de boletos enviados digitalmente, no entanto, têm crescido o número de fraudes com boletos enviados por correspondência via Correios

Geralmente, o boleto original é interceptado pelos criminosos, onde será reproduzido um boleto semelhante, porém, com código de barras e/ou linha digitável fraudados. 

Uma das grandes causas de ser vítima de boletos fraudados é a falta de atenção na hora do pagamento. Por ser registrado os boletos bancários irão exibir as informações do beneficiário no ato do seu pagamento – quem está recebendo o valor, sacador avalista e o pagador.

De acordo com o secretário estadual de Defesa do Consumidor, Fernando Capez, as vítimas de fraudes devem registrar boletim de ocorrência, como uma forma de ajudar a polícia a investigar os casos e encontrar os criminosos. 

Segundo Capez, em um primeiro momento, os bancos e demais empresas não podem ser responsabilizadas pelos golpes aplicados pelos criminosos. “A menos que alguma falha no sistema de segurança da instituição financeira tenha colaborado para a fraude. Como no caso, por exemplo, de alguém ligar no banco, passar meus dados e pedir minha senha. Nessa situação, a falha teria contribuído para o golpe e, portanto, haveria responsabilização”.

Para evitar ser lesado por fraudes de boletos bancários, aqui vão algumas dicas infalíveis:

  • No ato do pagamento, verifique com atenção os dados do beneficiário, CPF ou CNPJ. Se não reconhecer, não realize o pagamento. 
  • Em boletos emitidos por empresas de intermediação (como por exemplo PagSeguro, Juno, Finanz), o nome do recebedor final constará no campo SACADOR AVALISTA.
  • Verifique os primeiros dígitos do código – linha digitável – que representam o banco emissor. Por exemplo, uma cobrança do banco Bradesco, inicia-se com 237. 
  • Fique atento a impressão de má qualidade, com falhas, erros de português, formatação e fontes diferentes, e também falhas no código de barras. 
  • Se precisar emitir uma segunda via, realize essa operação diretamente no site da empresa ou do banco emissor.
  • Nunca confie em um boleto pelo simples fato de ser impresso e enviado via Correios. Há um aumento significativo de casos de fraudes em boletos impressos.
  • Se tiver qualquer dúvida ao receber um boleto, entre em contato com o prestador de serviços ou banco, validando as informações antes de efetuar o pagamento.
  • Se for pagar um boleto pela leitura do código de barras, confirme se os dados apresentados no ato do pagamento são efetivamente da empresa prestadora de serviços – valor, nome, CPF ou CNPJ. 
  • Geralmente, fraudadores utilizam cadastro de Pessoa Física, mas isso não é uma regra. Preste atenção e valide quando o beneficiário ou o sacador avalista for de um CPF. 

Compartilhe este post

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on print
Share on email
Fechar Menu